29 enero 2010

Carrapucheiriña

Naceu dentro dunha xeración de aburridos cobardes, fora do toque era unha muller aquel anxo. Este anxo non estaba no punto, en eses tempos a despunto fora da realidade, sentiu un medo grande, medo de perder súa inocencia. Inda por riba, de súpeto, perdeuse do camiño, foi daquela cando vagaba descalza sobre as grandes pedras imaxinando que eran nubes.



Ilustración de Range Murata




Bem que se quis
Depois de tudo
Ainda ser feliz
Mas já não há
Caminhos prá voltar
E o quê, que a vida fez
Da nossa vida?
O quê, que a gente
Não faz por amor?...
Mas tanto faz!
Já me esqueci
De te esquecer
Porque!
O teu desejo
É meu melhor prazer
E o meu destino
É querer sempre mais
A minha estrada corre
Pro seu mar...
Agora vem, prá perto vem
Vem depressa, vem sem fim
Dentro de mim
Que eu quero sentir
O teu corpo pesando
Sobre o meu
Vem meu amor, vem prá mim
Me abraça devagar
Me beija e me faz esquecer...

2 comentarios:

mixtu dijo...

vou...

te abraço

te beijo...

:)

abrazo serrano y europeo

Mirada dijo...

:-)

mixtu, benvido.
me abraça devagar
me beija e me faz esquecer...

Obrigada meu amigo,
veña entón unha aperta serrana e europea.

En archivo